quarta-feira, 25 de março de 2015

Resenha: Razão e Sensibilidade

Acho uma grande responsabilidade fazer resenha crítica de obras ou autores clássicos e importantes da literatura. O livro Razão e Sensibilidade, escrito por Jane Austen é um exemplo. Terminei a leitura essa semana e não posso deixar de falar um pouco sobre ele.


O livro traz a história das duas irmãs Dashwood, que possuem personalidades bastante diferentes entre si: Elinor é razão, Marianne é sentimento. Ao longo da história vemos a forma como cada uma delas lida com isso, principalmente na questão amorosa. Infelizmente o final do livro não me agradou mas gostei do fato de eu conseguir perceber a evolução das personagens principais: Elinor conseguindo expressar suas emoções e Marianne podendo contê-las. 

Razão e Sensibilidade foi o segundo livro que li da autora e, apesar de me encantar muito mais com a história de Orgulho e Preconceito, a leitura foi mais leve e divertida. Sim, divertida! Nunca imaginei que descreveria Jane Austen assim, mas Razão e Sensibilidade é um livro cheio de ironias, principalmente em se tratando do aspecto financeiro dos personagens. Outra coisa que me divertiu muito foram os personagens, que davam respostonas uns para os outros mas daquela forma polida da época. Insultando educadamente, sabe?

Enfim, o livro faz parte da lista do Rory Gilmore Book Project e está indicadíssimo pra quem quer começar a ler Jane Austen! 

Título: Razão e Sensibilidade
Autor: Jane Austen
Editora: Martin Claret
Páginas: 631

segunda-feira, 23 de março de 2015

Resenha: A Metamorfose

No mês passado li A Metamorfose, que foi o meu primeiro livro do Franz Kafka. Estava em dúvida entre esse e O Processo, mas acabei escolhendo esse porque já o tinham me indicado.

Acho que não é spoiler contar que Gregor, personagem principal desse livro, logo no primeiro parágrafo, se metamorfoseia. Ele era um homem e quando acorda se vê como um inseto gigante. E o livro vai contando como ele se sente em relação a isso e como os familiares dele passam a tratá-lo.

Confesso que quando terminei a leitura do livro fiquei com um ponto de interrogação enorme na minha cabeça porque eu esperava que acontecesse algo na história. Veja bem, o ponto alto do livro, a reviravolta, digamos assim, acontece logo no primeiro parágrafo. Dessa forma, imaginei que haveria outra reviravolta mais adiante, porém não foi o que aconteceu.

Depois acabei entendo o propósito do livro. Ele me fez pensar bastante. Acho que A Metamorfose fala muito sobre o relacionamento entre as pessoas. Em como quando uma pessoa muda os relacionamentos entre ela e as outras pessoas também mudam. Várias lições e alusões interessantes podem ser tiradas a partir dessa leitura.

A Metamorfose é um livro curtinho, que pode ser lido em poucas horas. Gostei muito da escrita do Kafka e estou animada para ler O Processo, que acho que é um livro mais denso (pelo menos fisicamente). Enfim, recomendo esta leitura pra todo mundo que gosta de livros que fazem refletir sobre a vida. Para mim, é o melhor tipo de livro.

Título: A Metamorfose
Autor: Franz Kafka
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 96

sexta-feira, 20 de março de 2015

Resenha: Tão Ontem

Há alguns anos uma pessoa me disse que o livro Tão Ontem do Scott Westerfeld era muito bom e que era provável que eu iria gostar. Queria lembrar quem foi essa pessoa para agradecer a indicação e dizer que ela estava certa, eu a-do-rei!

Tão Ontem é narrado por Hunter, um garoto de 17 anos que é Caçador de Tendências. Seu trabalho consiste em identificar nas ruas o que há de mais legal e criativo para o mercado seguir. No começo do livro, ele conhece Jen, uma Inovadora e não consegue evitar se envolver com ela (e muito!). Os dois são chamados para uma reunião misteriosa com a chefe de Hunter, mas o encontro não acontece e tudo que descobrem é o celular dela em um prédio abandonado. Hunter e Jen se vêem então envolvidos em um mistério que envolve um carregamento com os tênis mais legais que já viram, anúncios de produtos que não existem e um obscuro grupo dedicado a desmantelar a cultura consumista como conhecemos.

O livro é uma sátira ao processo de adoção de moda (também conhecido como bubble up ou trickle down, pra quem estuda moda). Além disso, o autor inseriu diversas curiosidades aleatórias no decorrer do livro, coisa que gosto muito, sendo uma delas a teoria dos seis graus de separação. 

Apesar do livro trazer uma certa reflexão a cerca do consumismo, é uma leitura bem leve e divertida. Recomendadíssimo!

Título: Tão Ontem
Autor: Scott Westerfeld
Editora: Record
Páginas: 316

segunda-feira, 16 de março de 2015

Resenha: Coraline

O livro Coraline, escrito por Neil Gaiman, conta a história da menina Coraline, que acaba de se mudar para um novo lugar, meio misterioso. A nova casa da menina e sua família é dividida em apartamentos: no andar de baixo moram duas atrizes aposentadas, e no andar de cima mora um senhor de idade que está tentando montar uma banda de ratos. Há também um outro apartamento, que não é habitado por ninguém, e que acaba por desencadear essa história incrível.

Coraline é um mistério muito cativante! O livro pode parecer infantil mas é muito agradável de ler, até mesmo para adultos. É uma leitura rápida (terminei em questão de 2 horas) e é ótimo para passar o tempo.

coraline

Essa edição da Rocco Jovens Leitores é muito bonita! A capa possui texturas diferenciadas e o livro é recheado de ilustrações maravilhosas feitas pelo David McKean!

coraline



coraline

Título: Coraline
Autor: Neil Gaiman
Editora: Rocco Jovens Leitores
Páginas: 160

terça-feira, 10 de março de 2015

Resenha: Travessuras da Menina Má

Minha leitura preferida do mês passado foi Travessuras da Menina Má, do escritor peruano Mario Vargas Llosa e achei que seria bom compartilhar essa minha experiência aqui no blog.

Travessuras da Menina Má é um romance que tem como pano de fundo um contexto histórico que é tão bem explorado quanto a própria trama. Esse livro esmiúça muito bem detalhes do contexto social e politico dos momentos que o personagem principal vive. O livro retrata o Peru nos 1960 e 1970, Paris, nesse mesmo período, Londres nos anos 1970, além de Tóquio e Madri. O próprio Mario Vargas Llosa vivenciou esses momentos, por isso tem muita consistência para falar sobre.  Pra quem gosta de história é um prato cheio. Pra quem gosta de um bom romance também, é claro. Os personagens são bastante densos, principalmente o narrador da história, Ricardo Somocurcio, também conhecido como Ricardito. Com a leitura é possível conhecer todos os aspectos de sua vida, desde suas origens no Peru, como também sobre seu trabalho como tradutor e sobre seu amor pela menina má.

Ricardito e a menina má se conheceram quando eram adolescentes, no Peru, porém acabaram perdendo contato e só voltaram a se encontrar quando tinham 20 e poucos anos, já em Paris (onde se passa a maior parte do livro). A partir daí se inicia uma série de encontros e desencontros, onde a menina má sempre reaparece com uma nova vida, um novo nome, um novo marido. Achei interessante esses encontros e desencontros porque, ao meu ver, isso representa que na vida ninguém pertence a ninguém e que a própria vida é inconstante, assim como a menina má. 

A leitura desse livro foi muito agradável e o recomendo para todo mundo que goste de um romance complicado.

Título: Travessuras da Menina Má
Autor: Mario Vargas Llosa
Editora: Alfaguara
Páginas: 302

quarta-feira, 4 de março de 2015

Resenha: Por isso a gente acabou

Descobri Por isso a gente acabou em uma postagem do site HelloGiggles sobre relacionamentos da ficção que a gente sabe, desde o começo, que não vão dar certo. O livro foi escrito por Daniel Handler, nome verdadeiro de Lemony Snicket, autor de Desventuras em Série. 

Por isso a gente acabou é uma carta escrita por Min Green explicando porque ela e Ed Slaterton terminaram. Min começa contando desde o primeiro contato que tiveram, no aniversário de 16 anos de seu amigo, em que Ed não foi convidado mas apareceu mesmo assim. Conta sobre seu primeiro encontro, segundo, terceiro... e ao longo do livro, em cada começo de capítulo, mostra algum objeto que foi significativo na relação deles, como uma tampinha de garrafa, um saleiro roubado e um brinco feio. Podemos ver cada um desses itens nas ilustrações fofas da Maira Kalman.

Minha opinião: O que eu mais gostei sobre o livro foi o fato de que o sonho da Min é ser diretora de cinema e por isso, ter inúmeras descrições de filmes em cada página. Infelizmente, quando fui procurar saber mais sobre eles na internet, descobri que nada daquilo existe, incluindo a banda Hawk Dawis (também bastante citada no livro) intérprete da música The feeling, a qual a letra é bem marcante no livro. You either have the feeling or you don't.

Enfim, apesar da história ser bem previsível (spoiler alert no próprio título!), recomendo a leitura desse livro principalmente depois de alguma outra leitura mais densa, pois ele é bastante leve e agradável!

Título: Por isso a gente acabou
Autor: Daniel Handler
Editora: Cia das Letras
Páginas: 368